Fitas para Empacotamento

Durante séculos, pacotes para remessa à distância foram envoltos em papel pardo, e seu fechamento era feito com barbante: a alternativa técnica, que era a goma arábica, resultava trabalhosa e ineficiente, exigindo frequentes interrupções do serviço, no aguardo da secagem da cola. Esta realidade se manteve até à invenção da…

Fitas autoadesivas

Desde a invenção da fita Scotch, pela 3M® na década de 1.920, o público consumidor se acostumou às fitas que aderem via compressão. Seus dorsos trazem uma face gomada com colóide que não resseca, ao passo que a outra face, sobre a qual as fitas são enroladas, recebe um tratamento, de modo que a goma não adira a ponto de se transferir. Isto vale para a totalidade das fitas autoaderentes fornecidas em rolos, sejam baseadas em dorsos translúcidos ou opacos, delgados ou espessos, condutores ou isolantes. As fitas deste tipo aderem em papéis e papelões, vidro e cerâmica, metais tratados ou pintados, madeiras aplainadas, envernizadas ou pintadas, plástico ou borracha, propiciando sustentação, fechando rupturas e descontinuidades, restaurando danos, etc.. De fato, fabricadas até hoje deste modo, as fitas adesivas, guardadas ou estocadas em ambiente ameno, longe de luz solar ou umidade sujeita a condensação, podem durar muitos meses sem perda de características.

Fita crepe

Nasceu a partir da necessidade de se pintar veículos em cores duplas. Ficou comprovado que o resultado obtido com o uso das fitas com dorso de crepe, aliadas à pintura com pistola, proporcionavam acabamento muito superior ao oferecido pela pintura a pincel, tanto no tocante ao aspecto superficial como no arremate da borda. Altamente flexível, possibilita executar curvaturas e contornos, além de viabilizar retoques em detalhes localizados. O sucesso foi tanto, que as aplicações se estenderam a reformas de alvenaria, possibilitando preservar detalhes, como corrimãos e batentes, interruptores, tomadas e respectivos arremates, fechaduras e olhos-mágicos, etc.. Viabilizam inclusive a pintura de paredes adjacentes com cores diferenciadas, sem as falhas comumente observáveis no acabamento manual. Hoje as fitas crepe não se limitam à aplicação em pintura, e é comum a disponibilidade de larguras entre 18 e 560 mm, com alto índice de aderência e boa resistência mecânica.

Fitas de Papel Crepado

Ideal para a formação de embalagens, a fita de papel crepado oferece fácil manuseio, tolerando a adequação em conformidade com superfícies irregulares, viabilizando fechamento adequado de pacotes, caixas, embalagens, assegurando elevada adesão, e resistência a compressão e à tração. Composta com papel crepado impermeável, resiste à exposição a atmosferas contendo alta umidade evolada. Disponível em alternativas técnicas com largura de 25 ou 50 mm, pode ser especificada para aplicações especiais, em rolos com largura acima de 560 mm, e comprimento de 50 m.